Com a proximidade da vacinação em larga escala algumas dúvidas passam pela cabeça das pessoas: Quem tem HIV pode tomar vacina da Covid? E quem está tomando PrEP pode tomar também?

Dois receios permeiam essas perguntas. O primeiro deles é se há algum tipo de interação medicamentosa prejudicial para quem está tomando antirretrovirais pelo tratamento de HIV ou uso de PrEP. A segunda é se a vacina representa algum outro tipo de risco para pacientes com HIV.

Leia também: Fase 1 de estudo de vacina para o HIV tem resultados promissores

Quando uma vacina contém vírus vivos na sua composição é preciso tomar cuidado em pacientes com HIV. O receio é que o vírus que foi enfraquecido em laboratório num contexto de imunodeficiência extrema poderia ser capaz de causar a doença.

A primeira boa notícia é que isso seria um problema apenas em pessoas com HIV que não estão em tratamento ou estão na fase inicial do mesmo e com números ruins quanto a sua imunidade. A outra é que tem HIV pode tomar vacina da Covid no Brasil sem preocupação, uma vez que as que já foram aprovadas e estão sendo aplicadas não usam o vírus vivo. Ou seja, até mesmo quem não está em tratamento ou em fase inicial não teria problema.

Prova disso é que o Governo Federal incluiu pessoas com HIV no grupo prioritário, desde que tenham contagem de linfócitos T CD4 menor que 350 células/mm3. Isso porque estas pessoas estão mais suscetíveis a desenvolver a forma mais grave da Covid-19 quando estão com a imunidade baixa.

Importante ressaltar ainda que outra garantia que quem tem HIV pode tomar a vacina da Covid é que em todos os ensaios clínicos forma inclusas pessoas HIV+, desde que em tratamento e com o HIV sobre controle.

Sobre a interação medicamentosa prejudicial, que seria inclusive a preocupação para saber se quem toma PrEP pode tomar vacina da Covid, Elliot Raizes, Conselheiro Médico Sênior da Divisão de Prevenção de HIV / AIDS do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos) disse ao site Queerty que, “embora seja necessária uma análise mais profunda dos ensaios clínicos, não há nada notável sobre as propriedades da vacina para sugerir potenciais interações com medicamentos anti-retrovirais, incluindo aqueles usados ​​para PrEP”.

Foto de Cottonbro no Pexels

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *