“Sejam Bem-Vindos”. A placa na porta nunca fez tamanho sentido quanto na Casa 1, fundada por Iran Giusti para acolher LGBTs expulsos de casa. O sobrado no bairro do Bexiga, em São Paulo, que funciona há pouco mais de três anos, porém poderá fechar as suas portas no fim do ano por dificuldades financeiras.

Tudo começou quando em 2015, seu fundador teve a iniciativa de postar nas redes sociais a disponibilidade de abrigar um jovem LGBT em sua casa. Em dois dias foram mais de 50 pedidos de abrigo. Foi aí que Iran percebeu que o problema era maior até mesmo do que ele estava pensando e com muito esforço e ajuda de amigos e vizinhos criou a Casa 1.

Atualmente, vinte pessoas de 18 a 25 anos são abrigadas na casa. Como a ideia é ser um centro de acolhida, também para atender mais pessoas, o tempo de permanência é de quatro meses. Além disso, cerca de trezentos alunos fazem aulas de inglês, espanhol, costura, entre outras. A Casa 1 também oferece refeições para moradores de rua e clínica de psicoterapia de forma gratuita. Mas esse trabalho lindo tem um custo alto, cerca de R$ 40 mil mensais, arrecadados através de doações de pessoas físicas e parcerias com a iniciativa privada.

Infelizmente o número de doações e até mesmo o afastamento de empresas parceiras tem feito cada vez mais ser quase impossível fechar as contas ultimamente. Por isso, Iran Giusti anunciou o fechamento da Casa 1 para dezembro de 2019. Para não deixar o trabalho construído ser jogado fora e desabrigar os LGBTs que precisam de tanto apoio, Iran afirma que continuará tentando editais, projetos com empresas e incentivando as doações físicas para tentar reverter a situação.

E aí que você pode fazer a diferença e ajudar a Casa 1 a não fechar as suas portas. Além de poder tentar alguma maneira de sensibilizar a empresa em que você trabalha ou alguma que você conheça a apoiar a iniciativa, há a possibilidade de fazer doações mensais a partir de R$ 20 através de uma plataforma de financiamento coletivo (clique no link para ajudar).